segunda-feira, setembro 22, 2008

A Festa do Desporto

No sábado teve lugar a cerimónia de abertura da Seixalíada, em 2008 a Seixalíada comemora o seu 25º aniversário e desde o seu começo, até à data tem conhecido um crescimento tanto nas modalidades em competição, assim como no número de atletas participantes, embora pelo meio tenha tido uma ou outra edição menos conseguida e um ano em que não se realizou.
Esta é sem dúvida a maior iniciativa do Desporto Popular realizada em Portugal, a cerimónia de abertura realizada na marginal da Arrentela demonstrou uma vez mais a dinâmica do movimento associativo no nosso Concelho, onde o desporto e a juventude são sem margem para dúvidas, imagens de marca do Concelho do Seixal.

Neste blog temos tido a oportunidade de escrever sobre a Seixalíada, como tal não nos iremos alongar muito mais em relação a este evento único no nosso país, restando agradecer aos dirigentes, atletas, ao poder local, escolas, trabalhadores da Câmara Municipal do Seixal e Juntas de Freguesia que em conjunto realizam esta magnifica iniciativa, mas irei aproveitar o arranque da 25ª Seixalíada para falar de dois clubes e de duas modalidades únicas no nosso Concelho e creio mesmo serem quase uma raridade na Região.

As modalidades em causa são o ciclismo e a patinagem artística que se praticam no Clube de Ciclismo da Aldeia de Paio Pires e no Clube do Pessoal da Siderurgia Nacional, estas modalidades devido às suas características únicas deveriam merecer alguma atenção por parte das entidades responsáveis e confesso que nem me refiro ao governo, pois tanto os do PS, como os do PSD, já há muito se demitiram das suas responsabilidades e duvido que alguém reconheça alguma política desportiva por parte dos mesmos, como tal do governo não se deve esperar nada. Já os municípios, as respectivas federações, os patrocinadores, movimento associativo e atletas deveriam encontrar algumas formas de auxiliarem estes clubes e algumas modalidades em particular, pois estas modalidades como são o caso do Ciclismo e da Patinagem, ao contrário de outras como o futebol, atletismo, andebol ou basquetebol, dão a única oportunidade aos jovens para praticar a modalidade da sua eleição e não é de estranhar que tanto no Clube de Ciclismo, como na secção de patinagem do Clube do Pessoal da Siderurgia Nacional se encontrem atletas de vários concelhos da Área Metropolitana de Lisboa e se não encontrarmos formas de poder continuar a oferecer a pratica desportiva das mais diversas modalidades, dentro de algum tempo podemos correr o risco de ver desaparecer algumas modalidades, confesso que este não é um tema fácil, pois também poderá haver o risco de uma excessiva protecção de uma modalidade em detrimento de outras, mas acho que este é um assunto que merece alguma reflexão e que se encontrem respostas, de modo a que os nossos jovens possam praticar a modalidade que entenderem.

Não me cansarei de referir que seria muito mais simples se em Portugal existisse uma política desportiva que não se resumisse às fotografias do Secretário de Estado do Desporto, aos Jogos da Selecção Nacional de Futebol e de quatro em quatro anos á lembrança que existem mais alguns atletas para além dos craques da bola.

Tenho de assinalar mais um pequeno milagre do Basquetebol português que teima em manter-se juntos dos melhores, como não têm amigos influentes os seus feitos continuam a passar despercebidos na nossa imprensa.

3 Comments:

Blogger Daniel Geraldes said...

Caro Aldeia, mas consta que o sr vereador não apareceu na maior organização nacional do "Desporto Popular" em Portugal.

Não tirando o mérito á iniciativa, que é de louvar tenho 2 apontamentos a fazer:

1º o transito caotico que provocou

2º o Estado Novo tambem fazia coisas idênticas a esta,imagine-se.

2:15 da manhã  
Anonymous outsider said...

Agite-se as massas (de forma ordeira), e faça-se provocar de um engarrafamento monstro dando a "ilusão" de que as massas proletárias aderem ao evento (na terminologia "Caras") na forma de um "engarrafamento" munumental.
Até teria graça, se não me tivesse calhado a mim.

Realmente uma ideia "esperta"

9:29 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Estive presente na abertura da Seixalíada e fui de bicicleta, causou algum transtorno como causa qualquer corte de estrada de uma via importante, tive a oportunidade de o constatar perto das 14:30 quando fui para a Torre, o trânsito estava lento, mas cerca das 18:00 ainda decorria a mesma e o corte de trânsito mantinha-se quando regressei a casa e não existia nenhum engarrafamento, pelo menos na ligação Torre da Marinha, Aldeia de Paio Pires.

Daniel essa é a tua opinião, da qual discordo e certamente também discordarão os milhares que estiveram na Festa de Abertura, duvido que dirigentes e atletas de colectividades com a Casa do Povo de Corroios, da Naval Amorense, do Fernão Ferro, da Siderurgia, do Seixal, do Arrentela ou da Cruz de Pau se revejam nesse papel que lhes reservaste. Se houve sítios onde durante a ditadura fascista a liberdade se fez sentir, foi precisamente em muitas colectividades do nosso Concelho.

aldeia pp

9:52 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home